A Câmara Municipal do Barreiro divulga o Manifesto 25 de Abril “Construir uma sociedade mais livre, mais justa e mais fraterna”, subscrito por várias entidades.

As entidades subscritoras do documento são: Associação das Colectividades do Concelho do Barreiro | Autarquias do Concelho do Barreiro | Movimento Associativo Popular do Concelho do Barreiro | Movimento Sindical Unitário do Concelho do Barreiro | Comissões de Utentes do Concelho do Barreiro.

“Criamos diariamente as condições da nossa intervenção no futuro.

Assumimos que o conhecimento profundo da realidade onde nos inserimos, a reflexão sobre as nossas aspirações e capacidades, a vontade consistente e consequente de intervir, de transformar e de ir mais longe.

Nos locais de trabalho, no movimento associativo, nas escolas, nos bairros e nas ruas, independentemente da nossa idade, das características, orientações e convicções pessoais de cada um de nós, da nossa experiência e percursos pessoais, partilhamos um passado, um presente e um futuro comuns.

Falamos a língua da luta pela liberdade, da emancipação, do conhecimento, da cultura, da defesa intransigente da dignidade humana, do direito à autodeterminação de todos os povos, da paz, da justiça, da fraternidade.

Conhecemos o mundo em que vivemos, a realidade portuguesa, as circunstâncias particulares do Barreiro.

Após 40 anos depois da publicação da Constituição da República Portuguesa de 1976 e 42 anos depois da Revolução de 1974, saudamos e prosseguimos edificando Abril, terra sonhada por gerações de homens e mulheres, que abriu portas à construção da Liberdade, à Saúde e Educação pública para todos, à protecção social, à melhoria dos salários e direitos dos trabalhadores.

Intervimos, fazemos, afirmamos, sonhamos, apesar das incertezas, para lá das dificuldades, independentemente dos retrocessos passados.

Sabemos que nada está determinado. Que nada é inevitável.

Olhamos novas oportunidades e damos corpo, diariamente, a novas conquistas e aspirações.

Construímos um mundo mais solidário, autónomo e participado.

Lutamos por condições de trabalho dignas, sem precariedade, compatíveis com a vida privada e o desenvolvimento integral do indivíduo.

Defendemos a reposição dos salários e de rendimentos.

Não aceitamos que o desemprego, o corte de direitos e a desregulação, sejam apontados como um fim inevitável.

Não aceitamos medidas assentes na miséria, na pobreza, na falta de horizontes e no medo.

Sabemos que a vida renasce, diária e irreprimivelmente, nos locais de trabalho, na escola pública, no serviço nacional de saúde, na segurança social, no movimento associativo, na rua, por todo o lado.

Retomamos os caminhos de Abril. Lutamos. Recuperamos direitos perdidos. Corporizamos o sonho de uma sociedade mais livre, mais justa e mais fraterna, alicerçada nos ideais da Revolução de 25 de Abril de 1974 e na Constituição emanada de Abril.

Hoje, como sempre, saudamos a vida que nasce, a força que cresce, o sonho que se concretiza.

Saudamos Abril!”