A comissão de utentes da Linha do Sado contactou nos últimos dias centenas de utentes nas estações e apeadeiros, referindo que existem diversos problemas e “promessas por cumprir” por parte da administração da Comboios de Portugal (CP). “A meio de um dia de semana de abril, durante quatro horas, não transitaram comboios, no dia 29 de junho aconteceu o mesmo. Para que se acudam às avarias falta material em reserva, falta a quarta composição suplente e que seja feita a manutenção exigível às três existentes”, refere a comissão em comunicado.

A comissão refere que, recentemente, se gerou um “protesto espontâneo de utentes” na estação ferroviária da Moita devido à dificuldade de manuseamento das máquinas e à não aceitação de notas. “Conta-se, seja por humor ou não, que proprietários ou empregados do pequeno comércio local, nas redondezas, já se coíbem de fazer trocos a cada pedido, para não ficarem eles desprovidos de dinheiro em moeda solta”, salienta.

A comissão frisa que em estações como a Moita ou Alhos Vedros os elevadores não funcionam, lamentando também os atos de vandalismo registados nas estações. “Vamos integrar as várias iniciativas de organizações de trabalhadores, associações populares e movimento de utentes em breve tornadas públicas, e estamos certos que os utentes vão corresponder como elemento ativo dessas jornadas de luta”, concluiu.