A Câmara da Moita pretende reduzir as emissões de CO2 registada em 2008 em 23 por cento até 2020, tendo apresentado o Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES Moita) que contempla 21 medidas em diversas áreas.

O documento, criado no âmbito da adesão do município ao Pacto de Autarcas, foi apresentado publicamente na Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça, na Moita.

“O PAES Moita contempla 21 medidas repartidas por vários domínios de intervenção, como edifícios municipais, equipamentos e instalações municipais, sector terciário, edifícios residenciais, iluminação pública, indústria, transportes, sensibilização e gestão, que abrangem todos os sectores de actividade e diferentes actores económicos e sociais do concelho da Moita”, refere o documento.

O documento explica que o objectivo é conseguir reduzir, até 2020, 23 por cento das emissões de CO2 que se registavam em 2008, que ascendiam a 117.590 toneladas.

O plano tem por objectivo a promoção da eficiência energética, a expansão da utilização de energias renováveis e a redução da dependência de combustíveis fósseis, prevendo um investimento global de cerca de 4,7 milhões de euros.

O presidente da Câmara da Moita, Rui Garcia, destacou, na apresentação deste documento, a importância de “agir local e pensar global”, no que diz respeito à temática do ambiente, “O que está em causa é a nossa civilização”, afirmou, apelando ao envolvimento de todos na construção deste plano, explicando que o mesmo está aberto a receber contributos dos munícipes e agentes locais.

A Câmara Municipal da Moita resolveu aderir ao Pacto de Autarcas em Abril de 2014, tendo avançado para a elaboração do plano com o apoio técnico da S.energia – Agência Regional de Energia para os concelhos do Barreiro, Moita e Montijo.