O Vitória desloca-se hoje ao Estádio da Luz para medir forças com o Benfica. O treinador Quim Machado reconhece que há uma percentagem mínima de probabilidade de os sadinos terem êxito na partida que terá início às 21 horas. No entanto, os setubalenses prometem que não vão entrar em campo derrotados e que tudo farão para provocar uma surpresa na casa dos Lisboetas.

Que Benfica espera o Vitória encontrar amanhã (hoje) no Estádio da Luz?

Esperamos um Benfica forte, à semelhança do que tem sido no campeonato e foi na Liga dos Campeões. Prevemos grandes dificuldades. Mesmo sendo eliminado pelo Bayern de Munique, estão motivados e vão ter um estádio com 50/60 mil pessoas. Estão na luta pelo título com o Sporting e não vão facilitar. Não vale a pena falar do valor individual dos jogadores do Benfica porque já todos o conhecem. Pela história do Vitória, temos de jogar sempre para ganhar. Na percentagem entre clubes grandes e pequenos anda nos 70-30 ou 65-35. Temos uma percentagem mínima neste jogo, mas não podemos pensar de outra forma que não procurar ganhar. O clube assim o exige. Se calhar vamos aparecer poucas vezes na área do Benfica e não vamos jogar abertos como eu gosto. Estou convencido que vamos fazer um bom jogo no estádio da Luz.

Poderá a sua equipa tirar partido do cansaço e da pressão que o oponente poderá acusar?

O Benfica tem um lote de jogadores que lhe permite trocar um ou outro atleta sem perderem qualidade. Não acredito que façam descansar mais do que um/dois jogadores. A pressão de ganhar vai existir sempre no Benfica. Temos a nossa estratégia mas não a vou revelar. Não acreditamos que acusem fadiga.

Que diferenças prevê para este jogo em relação à primeira volta, que o Vitória perdeu 2-4 no Bonfim?

Na primeira volta tínhamos outros jogadores e jogávamos um futebol diferente. Jogávamos cara a cara com todos os adversários, inclusivamente com o Benfica. Fizemos dois golos.

Agora estamos noutra fase. Gostaria de jogar com o Benfica como fizemos nesse jogo, mas temos de ter mais cautelas. O Benfica está melhor do que quando se apresentou aqui na primeira volta. Não podemos cometer erros porque nos custam caro. Temos de ter uma concentração enorme, ser coesos e ter espírito de grupo fantástico para que o Benfica não chegue com tanta frequência à nossa área.

É este um bom momento para ir ao Estádio da Luz?

Gostamos de jogar contra grandes equipas e grandes jogadores. Estes jogos fazem-nos crescer. Não é o momento certo para jogar com A, B ou C. Às vezes pensamos que ganhar em determinado campo é impossível e às vezes é aí que se consegue ganhar. Acreditamos sempre que é possível fazer um bom resultado. Bom resultado era ganhar mas um empate não seria mau. Temos de jogar bem, com personalidade e com classe. Muitos destes jogadores vão jogar pela primeira vez na Luz. O Vitória está preparado para dar uma imagem positiva e fazer pontos.

De que forma gerem as equipas a pressão dos pontos nesta fase?

O Benfica vai querer marcar rapidamente um golo para lhes dar a tranquilidade necessária, depois do jogo da Liga dos Campeões, para conseguir gerir o jogo. Quanto mais tempo conseguirmos manter o 0-0 ou estar em vantagem mais intranquilo o adversário fica. Compete-nos complicar ao máximo. Nós também temos a pressão de pontuar, apesar de responsabilidade estar mais do lado do Benfica. Podemos tirar algum proveito da pressão. Não vamos jogar com autocarro, não sou a favor disso. Cometer muitos erros nestes jogos é fatal. Vamos tentar criar desconforto no Benfica.


“Não há adversários imbatíveis”

Ricardo, Guarda-redes

O que espera do confronto que o Vitória vai ter com o Benfica?

É um jogo complicado. Sabemos o valor do adversário, mas também temos noção da camisola que envergamos. A nossa ida à Luz passa por deixarmos uma boa imagem e, como em todos os jogos, lutar por pontos. Vamos defrontar uma grande equipa, que está num excelente momento de forma, mas também temos as nossas armas e iremos lutar até à exaustão para trazer pontos para Setúbal.

É possível travar o Benfica?

Não há vitórias antecipadas nem adversários imbatíveis. Os últimos jogos do Benfica dizem-nos que têm tido dificuldades em ganhar como aconteceu com o Boavista e Académica. Nesta fase é mais difícil alcançar vitórias e isso tem acontecido também connosco.

Vai ter muito trabalho contra ataque avassalador. De que forma se está a preparar?

Existe sempre mais motivação e concentração nestes jogos. Estando mais activos e com a bola perto da nossa área, certamente estamos mais concentrados e focados no jogo. Qualquer jogador quer actuar num estádio perante 50 ou 60 mil pessoas. Sem dúvida, que todos querem pisar esses palcos.

Esperam um Benfica debilitado após a eliminação da Liga dos Campeões?

Não. Todos diziam que o Benfica ia ser atropelado pelo Bayern de Munique mas nada disso aconteceu. Deixou uma imagem bastante positiva, daí ter disto que não há adversários imbatíveis. Por pormenores não conseguiu passar. O Benfica não se deixa abater até porque faltam cinco jogos para atingirem o seu objectivo.

Como se consegue combater o desequilíbrio?

Apesar de as coisas não terem ultimamente estar a correr como queríamos, sempre estivemos unidos e fortes.

Dando tudo dentro de campo estamos sempre mais perto de equilibrar a balança que pesa muito mais para o lado do Benfica do que para o nosso. Só unidos podemos equilibrar.

Que balanço faz da sua experiência em Setúbal. Admite ser novamente emprestado ao Vitória?

Não pensei nisso porque estou focado em ajudar o Vitória. Sinto-me muito bem aqui e gosto de cá estar. Continuar? Não depende só de mim.