Rafael Rodrigues lembra acidente mortal registado no início deste mês, no troço que liga a Alcácer do Sal, e apela à inclusão de verbas no OE para 2017 tendo em vista as obras de recuperação da via

rafael-rodrigues

Rafael Rodrigues

O presidente da Assembleia Municipal de Grândola, Rafael Rodrigues, reiterou a exigência ao Governo para a “reparação urgente e imediata” do troço do Itinerário Complementar (IC) 1 que liga a Vila Morena e Alcácer do Sal.

Depois da morte de duas pessoas na sequência de um acidente rodoviário no IC1, em Alcácer do Sal, no dia 2 deste mês, o autarca decidiu enviar um ofício ao Governo a apelar mais uma vez para que seja incluída no Orçamento do Estado para 2017 a reparação do troço do IC1 entre as duas localidades. “Na passada sexta-feira (dia 02 deste mês), morreram mais dois grandolenses no troço que alguns apelidam ser da morte e que o foi para estes nossos conterrâneos”, lamenta Rafael Rodrigues no ofício remetido ao Presidente da República, ao primeiro-ministro, aos ministros da Economia e do Planeamento e das Infra-estruturas e ao presidente da Assembleia da República.

No documento, enviado ainda aos grupos parlamentares e à empresa Infra-estruturas de Portugal (IP), o presidente da Assembleia Municipal de Grândola recorda o “estado degradante do piso do IC1, particularmente entre Palma e Grândola”, exigindo a “reparação urgente e imediata” do mesmo.

“Fazemos chegar de novo a nossa voz numa altura em que se prepara a proposta de Orçamento do Estado para 2017 para que possam incluir, com carácter de prioridade, aquela intervenção, que custa vidas e é razão de prejuízos pelo elevado número de acidentes”, reforça.

Muita conversa e nenhuma obra

Rafael Rodrigues considera também que, além de “essencial para o quotidiano” da população, o IC1 “é uma via estruturante da circulação norte/sul”, de ligação ao Porto de Sines e para o turismo de todo o litoral alentejano. “Na Assembleia Municipal de Grândola já foi aprovado [no passado] um conjunto de posições a exigir as obras no IC1 e tivemos uma posição conjunta das cinco assembleias municipais do litoral alentejano [Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém, Sines e Odemira] a defender o mesmo”, sublinhou o autarca, em declarações à agência Lusa.

“Estamos a assistir a uma quantidade de acidentes, alguns deles mortais, sem que seja resolvida a situação”, asseverou, lamentando que haja “muita conversa e nenhuma obra” por parte do Governo.

A reparação do troço de estrada com 21 quilómetros, entre Alcácer do Sal e Grândola, tem vindo a ser exigida nos últimos anos pelos autarcas, pela população local e pela comissão de utentes do IC1, através de vários protestos, incluindo marchas lentas. “A denúncia tem sido permanente, mas até agora sem resultado”, lamentou o Rafael Rodrigues, a concluir.