Entidade Regional de Turismo assinou carta de cooperação para a certificação com aplauso de secretária de Estado do Turismo

A certificação internacional do destino turístico Alentejo e Ribatejo arrancou oficialmente na sexta-feira, com a assinatura, em Évora, da Carta de Cooperação para a certificação, entre a Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERTAR) e o Instituto do Turismo Responsável (ITR), organismo internacional independente do Conselho Global para o Turismo Sustentável (GSTC) e da Organização Mundial de Turismo (UNWTO) sob a égide da Organização das Nações Unidas (ONU).

O ITR é a entidade certificadora com o selo Biosphere Responsible Tourism, que reconhece a responsabilidade ambiental, cultural e social na actividade turística.

No caso da região Alentejo e Ribatejo, a certificação vai mais longe e abrange também a preocupação com a gestão económica, explicou o presidente da entidade de turismo regional. “No final do processo, pretendemos não apenas garantir mais qualidade ambiental, cultural e social, mas também ter um negócio melhor, com melhores hotéis e melhor serviço”, disse António Ceia da Silva.

A certificação vai ficar concluída em 2020, desenvolvendo-se ao ritmo de uma área por ano. “Arrancamos este ano com o alojamento, no próximo ano será a animação turística, no ano seguinte o turismo em espaço rural e concluiremos com os equipamentos culturais. Esquecemos, muitas vezes, que os equipamentos culturais são uma parte fundamental da oferta turística, e que temos de melhorar também os museus, igrejas e outros.”, especificou Ceia da Silva.

A secretária de Estado do Turismo esteve presente na Conferencia Internacional Certificação do Destino, que deu o “tiro de partida” ao processo e elogiou a iniciativa da Entidade de Turismo do Alentejo e Ribatejo para ser o primeiro destino turístico certificado em Portugal e um dos primeiros no mundo.

“O Alentejo está sempre no top, é um destino de futuro, sustentável, e a certificação não é mais do que o passo normal, mas que ninguém está a dar”, disse Ana Mendes Godinho.

A responsável defende que selos como este [Biosphere Responsible Tourism] são fundamentais para a afirmação internacional” do destino turístico “e para a sua capacitação”, e conclui que a certificação “vai mostrar ao mundo o que é o Alentejo”.