A história do caminho percorrido pela eletricidade no concelho de Alcochete e o papel desempenhado pela população local na laboração da central Tejo são os temas das duas exposições patentes na Biblioteca e na Galeria Municipal até 30 de junho. Realizadas no âmbito da implementação do Projecto InovGrid em Alcochete, as mostras, resultantes de uma parceria entre a EDP Distribuição, a Fundação EDP e a câmara municipal,  foram inauguradas no passado dia quatro pelos presidentes da autarquia, Luís Miguel Franco, e da EDP Distribuição, João Torres, e ainda pelo administrador executivo da Fundação EDP, Miguel Coutinho.

Alcochete e a electricidade

Durante a ocasião, João Torres referiu a relação que a empresa tem com os municípios, designadamente o de Alcochete, e que “faz por manter sempre ao nível da excelência”. O presidente da Edp Distribuição salientou “a qualidade, a oportunidade e o vanguardismo do projeto InovGrid”, do qual Alcochete, pela sua proximidade com Lisboa, está a ser agora um “laboratório”.

Já Luís Miguel Franco enalteceu as características de investigação e desenvolvimento tecnológico que “são marca da EDP”, considerando que a parceria “vem ao encontro de preocupações com a eficiência energética e o ambiente” que a edilidade tem já, ela própria, “transformadas em programas e projetos”. Na Biblioteca Municipal está patente a exposição intitulada “A Eletricidade em Alcochete: uma história, um futuro”.

A mostra apresenta a história da eletrificação de Alcochete, desde os primórdios até aos dias de hoje, “uma viagem pela instalação da eletricidade no dia a dia das populações onde não faltam eletrodomésticos e documentos antigos e que culmina com o InovGrid, um projeto de vanguarda que está em fase avançada de implementação no concelho”. “Os Alcochetanos na Central Tejo: memórias fotográficas e outras” é o título da mostra que figura na Galeria Municipal.

A exposição dá a conhecer “o trabalho desenvolvido pelos alcochetanos na descarga do carvão que alimentava a central Tejo, a fábrica de eletricidade que iluminou Lisboa”. “Eram homens que trabalhavam em Alcochete na salicultura, outro trabalho duro, mas que nunca diziam que não quando eram chamados a atravessar o Tejo e rumar a Belém para ganhar um salário melhor, ficando separados da família durante o tempo que fosse necessário”.

Os conteúdos patentes nas exposições vieram do Museu da Eletricidade e da EDP Distribuição, tendo também sido recolhidos junto da comunidade local um conjunto de depoimentos que permitiu valorizar as histórias apresentadas pelas exposições. Uma equipa da Fundação EDP Museu da Eletricidade, em estreita colaboração com a câmara de Alcochete, levou a cabo pesquisas em arquivos locais que resultaram, também, no enriquecimento do espólio agora em mostra.