Novos órgãos sociais, com renovada vontade e ambição, relançam marca histórica de Palmela nos trilhos do futuro. Sócios fizeram aumento de capital para dar o músculo financeiro necessário aos investimentos previstos. Até 2017 estão em curso obras e instalação de novos equipamentos no valor de 2 milhões de euros

A Adega de Palmela, emblemática casa de vinhos da região, que completou 61 de existência na semana passada, entrou numa nova fase da sua história, com um processo de renovação de equipamento e instalações e a aposta no relançamento da actividade, num impulso dado com a eleição de novos corpos sociais, no início deste ano.

Os novos responsáveis apelaram ao esforço dos cerca de 300 associados da cooperativa, para um aumento de capital, já realizado, e iniciaram um ciclo de investimento na modernização da adega.

“Este é um ano de sacrifício para os associados porque estamos a fazer investimento de cerca de 2 milhões de euros.  Estamos a investir 1,1 milhões já este ano e o restante será concretizado em 2017.”, disse o novo presidente da cooperativa ao DIÁRIO DA REGIÃO.

José Manuel Coutinho não esconde, por isso, a satisfação com o apoio demonstrado pelos sócios aos projectos iniciados pelos novos órgãos sociais.

“É um ano de coragem; é sob o lema da coragem que aqui estamos e os associados estão connosco, porque esta casa merece”, afirma o presidente, recordando que “há quase 20 anos que não se fazia um investimento desta envergadura”.

Novo sistema aumenta capacidade de recepção de uva em 20%

A parte já concretizada, do investimento em curso, centra-se, sobretudo, na modernização do sistema de recepção da uva e na fermentação. A recepção da matéria-prima é essencial nesta fase da vindima. Com o investimento feito, que aumentou a capacidade de recepção em cerca de 20%, para 450 toneladas por semana, a adega acabou com o “martírio” em que se tinha transformado a entrega de uvas nas campanhas dos últimos anos. Com os novos equipamentos em funcionamento, acabaram as filas para descarregar, os trabalhos fora de horas e outros problemas próprios da recepção da colheita.

Com este esforço de investimento, que segundo o presidente da cooperativa, “tinha de ser feito agora, porque a adega não podia esperar mais”, a emblemática casa renova a esperança no futuro.

“O lema é acreditar e ter confiança, no futuro e no apoio que os associados – que são as pessoas mais importantes da casa – nos têm dado. A responsabilidade é pesada, mas estamos confiantes de que este investimento é uma catapulta para, dentro de dez anos, quando a adega estiver a comemorar o 70-º aniversário, podermos comemorar com outra situação económica e financeira.”, diz José Coutinho.

Um futuro que os responsáveis querem construir cada vez mais à volta da qualidade, do reforço do estatuto e da quota de mercado dos vinhos de Palmela.

“A casa perdeu o comboio há muitos anos atrás, por ter apostado apenas nos vinhos a granel, e há cerca de sete anos é que começou a inverter esse posicionamento e a apostar no vinho engarrafado”, recorda o responsável, garantindo que o reforço dessa tendência é a grande estratégia da cooperativa para o futuro.

A Adega de Palmela tem já o reconhecimento de múltiplos prémios conquistados, em Portugal e no estrangeiro (ver medalhas ganhas este ano, em caixa nestas páginas), e está nos grande circuitos de distribuição, com gamas de vinhos de referencia, como os Adega de Palmela e Vale de Barris, mas quer reforçar ainda mais a qualidade e a presença em novos segmentos e mercados.

“O objectivo é melhorar ainda mais a qualidade dos vinhos, que já são excelentes”, sintetiza o presidente, que renova a confiança no enólogo e gerente, Luís Silva, para a concretização da estratégia da nova direcção que pede mais dinâmica e inovação.

Luís Silva aceita o desafio, convicto de que em Palmela e na região há ainda muito a fazer na afirmação do sector vitivinícola.

“A região tem qualidade e capacidade para ser afirmar, no mundo, como região de vinhos de excelência. Temos tudo para dar certo na exportação, temos qualidade, quantidade e a melhor relação qualidade-preço”, defende o enólogo.

Se a região tem todo este potencial, a Adega de Palmela tem também muito por onde crescer, na opinião do especialista. “Podemos aumentar a exportação até cerca de 30 da nossa produção”, diz Luis Silva, que está apostado também no aumento do valor do produto, designadamente com a nova gama de vinhos Villa Palma, destinada a um segmento específico de mercado (ver caixa nestas páginas) e um novo produto gourmet para grandes apreciadores.

Recorde de vendas e aguardente velha dão ânimo

As perspectivas de um futuro auspicioso são reforçadas com coisas muito concretas, como os resultados económicos e novos produtos.

A Adega de Palmela encerrou o mês de Setembro com um recorde de vendas. Foi o melhor mês de sempre na história da casa, superando o recorde mensal anterior, estabelecido em 2014.

Outro factor de esperança é o novo produto que a adega se prepara para lançar; uma aguardente velha, para a gama Villa Palma. Trata-se segundo o enólogo Luís Silva, de um produto gourmet, série limitada, de aguardente produzida nas décadas de 60 a 80, que vai ser destinada a um nicho de mercado, os verdadeiros apreciadores.

“É uma aguardente direccionada a restaurantes, que queremos ver associada à boa-mesa, a boa gastronomia”, afirma Luís Silva.

O presidente levanta também “um pouco do véu” do que será o futuro muito próximo da Adega de Palmela. Uma das mais importantes gamas da marca vai ter uma nova imagem “mais alegre, mais elegante e mais digna”. Uma novidade em fase de preparação e que estreia, nas prateleiras e na mesa no início de 2017.

Gama Villa Palma à conquista de hotéis e restaurantes

Neste primeiro ano de funções, os novos dirigentes querem fazer a diferença também em vários outros domínios da actividade da Adega de Palmela, sendo que uma das apostas já no terreno é na exploração do canal de distribuição específico para hotéis, restaurantes e cafés/bares, conhecido como canal HORECA.

A adega criou uma gama exclusivamente dedicada a estes estabelecimentos; os vinhos Villa Palma. Trata-se de uma gama composta por 5 vinhos; 2 tintos, 2 brancos e 1 rosé, que não vão estar nas grandes superfícies nem noutros locais da distribuição habitual.

Segundo o enólogo trata-se de um vinho especial, para acompanhar a boa gastronomia. “Pretendemos que a Gama Villa Palma seja apreciada à boa mesa, por isso é destinada aos melhores restaurantes”, diz Luís Silva, destacando a importância da restauração da região apostar nos vinhos também da nossa região.

Com esta nova gama de vinhos, a Adega de Palmela homenageia também a terra, Palmela, e as suas gentes.

“No rótulo dos vinhos desta gama é apresentado o edifício dos Paços do Concelho e o Castelo de Palmela. Queremos prestar homenagem ao município e aos vitivinicultores. A Adega de Palmela está ligada à história da vila, é a única adega que tem Palmela no nome.”, sublinha o presidente José Manuel Coutinho.

Nova administração desde início do ano

A Adega de Palmela tem nova administração, desde o início deste ano. Os novos órgãos sociais, que tomaram posse no dia 7 de Janeiro, tem os seguintes elementos no conselho de administração.

José Manuel Coutinho (presidente)

Jorge Delgadinho (vogal)

Jerónimo Almeida (vogal)

Eduardo Coelho (suplente)

André Fidalgo (suplente)

Luis Silva (enólogo, gerente e vice-presidente da Assembleia Geral)

Medalhas conquistadas em 2016

MELHOR VINHO DA REGIÃO

Moscatel de Setúbal 2013 (Uva de Ouro – Continente)

OURO

Villa Palma Colheita selecionada 2013 (Vinalies Internationales França)

Adega de Palmela Branco 2015 (Lyon International Wine Competition)

Vale dos Barris Branco 2015 (Challenge International du Vin França)

Vale dos Barris Branco 2015 (XVI Concurso de Vinhos da Península de Setúbal)

Moscatel de Setúbal 2014 (Muscats du Monde França)

Villa Palma Tinto Colheita selecionada 2013 (Mundus Vini, Alemanha)

PRATA

Vale dos Barris Syrah 2013 (Vinalies Internationales França)

Vale dos Barris Branco 2015 (Femmes et Vins du Monde Monaco)

Vale dos Barris Rosé 2015 (Femmes et Vins du Monde Monaco)

Villa Palma Tinto DO 2013 (Femmes et Vins du Monde Monaco)

Vale dos Barris Branco 2015 (Lyon International Wine Competition)

Vale dos Barris Rosé 2015 (Lyon International Wine Competition)

Villa Palma Colheita selecionada 2013 (Lyon International Wine Competition)

Vale dos Barris Rosé 2015 (Mundial du Rosé França)

Vale dos Barris Branco 2015 (IWSC International Wine e Spirit UK)

Vale dos Barris Branco 2015 (Mondial de Bruxelles, Bélgica)

Villa Palma Tinto Colheita selecionada 2013 (Mondial de Bruxelles, Bélgica)

Vale dos Barris Castelão 2015 (Mundus Vini, Alemanha)

Villa Palma Branco Colheita Seleccionada 2015 (Mundus Vini, Alemanha)

Villa Palma Tinto 2015 (AWC Vienna International Wine Challenge)

Vale dos Barris Rosé 2015 (AWC Vienna International Wine Challenge)

BRONZE

Villa Palma Branco 2015 (IWSC International Wine e Spirit UK)

Villa Palma Colheita Seleccionada 2013 (IWSC International Wine e Spirit UK)

COMENDA

Vale dos barris Branco 2014 (Decanter World Wine Awards)

Adega de Palmela Branco 2014 (Decanter World Wine Awards)

SELO DE APROVAÇÃO

Villa Palma Tinto Colheita selecionada 2013 (AWC Vienna International Wine Challenge)

Villa Palma Branco Colheita selecionada 2015 (AWC Vienna International Wine Challenge)