Out 0
Out 0

Musa – museus, arqueologia e outros patrimónios

Finalmente em distribuição, o volume 4 da publicação que dá o título à nossa crónica é editado pelo MAEDS (Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal) e FIDS (Forum Intermuseus do Distrito de Setúbal) e assinala o momento de transição do nosso museu regional da Assembleia Distrital de Setúbal para a Associação de…
  Ler crónica
Set 0
Set 0

Romaria da Senhora da Atalaia: Novo Quase-Pároco “versus” Procissão Estragada

No período áureo da "Festa Grande" (fim do século XIX e princípio do XX), o ponto alto da mesma era constituído (como, de resto, ainda hoje continua a ser) por uma monumental procissão, enquadrada pela Igreja e na qual se integravam, por ordem de antiguidade de fundação, todos os Círios presentes na Atalaia. O tempo…
  Ler crónica
Set 0
Set 0

Arquivo Secreto do Vaticano e Setúbal

No mês em que completo três anos de colaboração ininterrupta com o “Setúbal na Rede”, escolho, para breve tratamento nesta crónica, um tema, de certo modo, também para mim, inesperado. Em deslocação recente à Biblioteca Nacional, quando me encontrava a documentar sobre obras publicadas sobre o culto mariano em Portugal nas últimas décadas, deparei, inesperadamente,…
  Ler crónica
filomenabarata@hotmail.com'
Ago 0
Ago 0

Agosto, o mês de Augusto entre Lisboa e o Algarve

Como gostaria de vos poder falar hoje do período que vivi, Atlântico distante, muito longe do Promontorium Sacrum, lá num país onde, ao que se sabe, os Romanos não chegaram: a Angola que me viu nascer e que nunca esquecerei. Mas, ainda assim, também lá chegam os ecos dessa Civilização do Ius, atravessando todos os…
  Ler crónica
Ago 0
Ago 0

Rio das Enguias – Breves Notas Históricas

Um moderno viajante de carro que, por exemplo, parta da cidade de Montijo e continue pela Estrada Nacional n.o 4 rumo ao Alentejo, ao passar na ponte das Rilvas pelo Rio das Enguias, talvez não tenha a noção da grande importância económica deste, como via de comunicação fluvial, durante, pelo menos, meio milénio. O Rio…
  Ler crónica
Jul 0
Jul 0

A Linha e o Espaço e ainda “O Almoço Do Trolha”

O museu não é uma cerca; poderá ser um polo, ou talvez esta seja apenas uma forma cêntrica de ordenar as coisas... Primeiro, Von Thünen, depois Christaller e os seus lugares centrais, mais tarde a teoria dos sistemas mundiais... Apesar de tudo, preservei sempre um lugar iluminado para os cruzamentos, as transversalidades, as redes de…
  Ler crónica
Jul 0
Jul 0

Cultura, Associativismo e Rejuvenescimento Diretivo

Quando, por ocasião dos festejos da Quinta-Feira de Ascensão, na Atalaia, em maio, o meu amigo senhor José Ratinho, Presidente da Direção do Círio dos Olhos de Água, em conversa particular, me confidenciou, apreensivo, que três dos dirigentes do Círio já andavam pelos oitenta anos, refleti sobre o assunto e acabei por partilhar da sua…
  Ler crónica
Mai 0
Mai 0

Culto a Nossa Senhora da Atalaia: Quinta-Feira da Ascensão

No quadro do calendário litúrgico da Igreja Católica, a festa da Ascensão, celebrada numa quinta-feira quarenta dias após a Páscoa, comemora a ascensão de Jesus Cristo ao Céu. Em Portugal, o dia também é conhecido por "Quinta-Feira da Espiga", ou, muito simplesmente, por "Dia da Espiga". Manda a tradição que, num passeio pelo campo, se…
  Ler crónica
Mai 0
Mai 0

A artista plástica Emília Nadal, o Dia Internacional dos Museus e a questão do desenvolvimento sustentável

[caption id="attachment_3003" align="alignleft" width="150"] Fig.1 - Aspecto da exposição itinerante “O Desperdício ou a Ruptura do Homem com o Meio”, organizada pelo MAEDS nos anos 80 do século XX.[/caption] Focados nas grandes questões ambientais, que passam nomeadamente pela conservação da biodiversidade e pela gestão conservacionista de recursos escassos como os alimentos ou a água, verificamos…
  Ler crónica
Abr 1
Abr 1

Círio dos Marítimos de Alcochete: Festividades da Páscoa de 2015

No âmbito da vida cultural da nossa região, o Círio dos Marítimos de Alcochete assume um relevo ancestral e particular, o qual ainda não terá sido devidamente reconhecido em toda a sua plenitude. Tratei do assunto no meu quarto livro (“Círio dos Marítimos de Alcochete”, Alcochete, Câmara Municipal, 2002, 158 pp.). Na Baixa Idade Média,…
  Ler crónica
voltar ao topo ▲