Na anterior crónica tive a oportunidade de aqui partilhar os resultados, publicados pelo Instituto Nacional de Estatística, do Turismo em 2014, aquele que foi o melhor ano turístico de sempre com mais de 46 milhões de dormidas, representando um crescimento de 11% face ao ano anterior.


Para este resultados contribuíram o aumento de quase 3 milhões de dormidas de Estrangeiros (+10,2%) e, surpreendentemente para muitos, o aumento de 1,6 milhões de dormidas de Portugueses (+13%) que, depois de 3 anos sucessivos de quebra, atingiram as 13,8 milhões de dormidas, ultrapassando assim o anterior máximo que tinha sido obtido já no longínquo ano de 2010.


Analisando estes dados, colocam-se desde logo 3 questões:
– O crescimento foi uniforme em todo o país?
– Para onde foram os portugueses em 2014? e
– Qual o comportamento dos mercados estrangeiros?


A reposta à primeira questão é não. Se é um facto que todas as 7 regiões turísticas (Norte, Centro, Lisboa, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira) registaram variações positivas, também é um facto que três destas se destacaram – o Algarve com mais 11,2%; Lisboa com mais 15% e, com o maior crescimento nacional, o Alentejo com 17,2% de aumento de dormidas face a 2013.


Com uma perspectiva menos positiva tivemos os Açores com um crescimento marginal de 0,4% e a Madeira com uma variação positiva de 4,7%, mas ainda assim muito abaixo da média nacional. Os Açores são aliás, o único destino turístico em Portugal que não registou em 2014 o seu melhor ano turístico, estando ainda longe do valor máximo de dormidas atingido em 2007.


Deixo no entanto aqui uma nota sobre os Açores, cujas expectativas para 2015 são muito positivas consequência da liberalização das ligações aéreas nesta região. Este tema – as ligações aéreas – como podemos já hoje verificar no Porto e em Lisboa, é fundamental para o sucesso de qualquer destino turístico, pelo que terei oportunidade de abordá-lo numa futura crónica.


Relativamente à segunda questão, também nesta, as mesmas 3 regiões destacaram-se com aumentos superiores à média nacional (13%): Lisboa com aumento de 13,8%; o Alentejo com mais 13,7%; e o Algarve com um acréscimo em 2014 de 19,3%; representando estas 3 regiões um aumento de cerca de 1,1 milhões de dormidas (70% do aumento total de dormidas).


A resposta à terceira questão é a mais complexa. Se no global do país, apesar de não existirem alterações significativas nas quotas dos 10 principais mercados emissores de turistas para Portugal (Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Holanda, Brasil, Irlanda, Itália, EUA e Bélgica), destacaram-se os crescimentos verificados nos mercados Francês (+16,8%), Espanhol (+14,6%), Brasil (+12,6%) e Bélgica (19,6%).
Já em cada região esses mesmos mercados emissores tiveram comportamentos distintos. Assim, com crescimentos superiores à média nacional (+10,2%) e à média de cada região tivemos i) a Norte (+13,4%) os mercados do Reino Unido, Brasil, EUA e Bélgica; ii) no Centro (+12,2%), França, Brasil, EUA e Itália; iii) em Lisboa (15,4%), Reino Unido, França, Irlanda e Bélgica; iv) no Alentejo (+25%), Espanha, França, Irlanda e Itália; v) no Algarve (8,8%), Espanha, França, Brasil, Itália e EUA; vi) nos Açores, apesar da diminuição de dormidas provenientes dos mercados internacionais (-1,9%), registaram-se no entanto crescimentos acima da média nacional das dormidas com origem em Espanha, Irlanda, Itália e EUA; e finalmente vii) na Madeira, com um crescimento médio de +4,2%, não foi registado nenhum crescimento entre os 10 mercados mais importantes para Portugal acima da média nacional.


Estes são alguns dos números que caracterizaram o Turismo em Portugal em 2014. São também números que nos deixam pistas, indicam os caminhos a seguir e as apostas que este sector terá de fazer em 2015 e nos próximos anos, para manter uma trajetória de crescimento e de criação de valor para o nosso país e para cada uma das regiões.
É sobre estas pistas, caminhos a seguir e apostas, nomeadamente nas regiões de Lisboa e Alentejo (que incluem distrito de Setúbal), que centrarei a minha próxima crónica.

Fotografia de capa por Z Carlos

The following two tabs change content below.

João Madeira

Diretor Geral Tróia Resort

Últimos textos de João Madeira (ver todos)