No período áureo da “Festa Grande” (fim do século XIX e princípio do XX), o ponto alto da mesma era constituído (como, de resto, ainda hoje continua a ser) por uma monumental procissão, enquadrada pela Igreja e na qual se integravam, por ordem de antiguidade de fundação, todos os Círios presentes na Atalaia.

O tempo passou e, no ano de 1987, o quadro já era muito diferente e negativo: apenas se integravam na procissão os Círios da Azóia e da Quinta do Anjo e, como a circulação de trânsito na Estrada Nacional número 4 não era interrompida pela GNR, os devotos caminhavam, ridiculamente, no passeio norte, junto dos prédios.

Para tentar restaurar alguma da grandeza e do prestígio do passado, antes dos festejos desse ano tomei a iniciativa de fazer reunir à mesa o padre Manuel Gonçalves dos Santos e representantes dos cinco Círios que ainda festejavam na “Festa Grande”: Azóia, Quinta do Anjo, Carregueira, Olhos de Água e Novo. E tive a satisfação de verificar que a minha iniciativa fora bem acolhida e conseguiu-se chegar a acordo para integrar de novo todos os Círios na procissão e fazer interromper o trânsito. Os três Círios dos “caramelos” (Carregueira, Olhos de Água e Novo) abandonaram deste modo as procissões individuais e passaram a cumprir as suas promessas coletivas quando integrados na Grande Procissão.

Nos últimos anos e a convite da respectiva Direcção, tenho participado naquela transportando a Bandeira Principal ou outra de grande porte do Círio dos Olhos de Água.

Este ano, ao chegar à casa do Círio, na Atalaia, tive uma surpresa muito desagradável: o Círio não iria integrar-se na procissão nos moldes habituais, pois o novo quase-pároco da Atalaia ordenara que todos os Círios teriam de partir do adro da igreja.

Ora o Círio dos Olhos de Água, desde a reativação da Grande Procissão, sempre se integrou nesta no cruzamento da rua da sua sede com a Estrada Nacional número 4, pois tem-se tornado cada vez mais difícil e penoso arranjar pessoas de ambos os sexos (no passado, só do feminino) que se disponham a carregar com os três andores de imagens da Virgem (duas da Atalaia e uma de Fátima) e, subindo e descendo, a dar duas voltas ao circuito da procissão.

Procurando inteirar-me melhor do que previsivelmente se iria passar no dia seguinte (domingo), dirigi-me à igreja. Foi-me dito por sucessivos escuteiros que o novo quase-pároco estava a jantar. Após duas horas e meia de espera, vim-me embora. Mas voltei lá no dia seguinte. Fui então recebido pelo quase-pároco no exterior da igreja, aos gritos e em postura extremamente arrogante e autoritária: “Quem é você?”. “Aqui quem manda sou eu”. “Na minha terra, todas as procissões partem da igreja”. Como, pela obra realizada à minha custa nos últimos quarenta anos, não permito que ninguém me fale nestes termos, retirei-me.

Para o novo quase-pároco, como o Círio dos Olhos de Água não entraria na Grande Procissão no adro da igreja, em rigor também não faria parte dela. Resultado: pela primeira vez, no último século e meio, o Círio dos Olhos de Água teve de cumprir a sua promessa antes da do Círio da Carregueira, desrespeitando, assim, a ordem de antiguidade de fundação de cada um. E, por ordem do novo quase-pároco, só se integrou na Grande Procissão na parte final desta. Mas, quando tal aconteceu, já a parte dianteira da procissão avançara, criando-se um enorme vazio no centro desta. Em suma, como diria alguém, uma “barracada”, mesmo uma “grande barracada”.

Desde que Atalaia se tornou numa quase-paróquia, têm sido frequentes as mudanças de pároco. E, no desempenho desta atividade, apesar da cada vez maior escassez de candidatos a exercê-la, penso que continuam a ser requeridos padrões mínimos de personalidade e de competência que me parece não estarem ao alcance de um qualquer recém-chegado. É que – ponto fundamental – a Atalaia tem uma romaria de, pelo menos, seiscentos anos, com importantes tradições a preservar a todo o custo.

Uma nota final. Em minha opinião, uma procissão religiosa não deve nem pode ser confundida com qualquer outro cortejo, designadamente etnográfico, pelo que a integração de ranchos folclóricos e charretes no fim da Grande Procissão – fenómeno que tem ocorrido nos últimos anos – me parece, no mínimo, discutível, e, como tal, a repensar.

The following two tabs change content below.

Mário Balseiro Dias

Professor
Mário João Balseiro Dias nasceu em Vale Porrim, próximo de Atalaia, no concelho de Montijo, em 28 de dezembro de 1958. Atualmente, reside em Setúbal. Licenciou-se em Ciências Jurídico-Políticas na Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa. É Mestre em História Regional e Local pela Faculdade de Letras da mesma universidade, com a classificação máxima, atribuída por unanimidade: Muito Bom. Profissionalmente, exerce a docência na Escola Secundária c/ 3.o Ciclo Poeta Joaquim Serra, em Montijo.

Últimos textos de Mário Balseiro Dias (ver todos)