O campeonato português de futebol está a duas jornadas do fim e o Vitória Futebol Clube está a 3 pontos da manutenção (tem 3 pontos a mais que o Gil Vicente, penúltimo classificado, e tem vantagem nos confrontos diretos). E se desportivamente não está bem, o que diremos dos aspetos financeiros?

Lendo os jornais nacionais parece que está bem pois segundo o Jornal Público, o vice-presidente da SAD, Fernando Oliveira, disse que o Vitória de Setúbal liquidou esta quinta-feira os salários em atraso aos jogadores e regularizou as dívidas às Finanças e à Segurança Social.

… Esperem, esta era uma notícia de maio de 2009…

Vamos ver se é desta. Segundo o Jornal Público, os futebolistas do Vitória de Setúbal têm salários em atraso. Segundo este jornal, o atraso no pagamento de salários no V. Setúbal atinge quase três meses. Segundo o mesmo jornal, o Vitória de Setúbal, que a duas jornadas do fim do campeonato ainda luta pela manutenção na I Liga, publicou um comunicado no seu site oficial a afirmar que o conteúdo das notícias sobre incumprimento salarial “não corresponde à realidade dos factos, sendo por isso falso o afirmado nas mesmas”.

…Esperem, sei que parece mas ainda não é desta, esta notícia é de maio de 2011…

Agora é que é… segundo o Record, Marco Vinicius, Dani, Miguel Pedro e Lupeta terão recusado treinar-se com o plantel devido aos salários em atraso. Segundo a mesma publicação, a situação financeira de alguns jogadores é de extrema gravidade. Fonte do clube sadino negou ao referido diário a existência de problemas salariais.

Segundo a Bola o presidente do Vitória de Setúbal mostrou-se agastado com as notícias que deram conta de uma alegada recusa dos jogadores a treinar-se face aos atrasos nos pagamentos dos salários. Entretanto, uma fonte oficial do clube confirmou que será dada esta segunda-feira a ordem de pagamento dos salários referentes ao mês de fevereiro, dinheiro que irá cair nas contas dos jogadores até final desta semana. Caso se confirme este cenário, o clube ficará em falta com o mês de março.

Existe aqui um padrão, por volta de fevereiro os jogadores deixam de receber, o clube nega sempre esta situação até proceder à regularização que normalmente decorre em finais de maio.

O clube vive com dificuldades, é certo, assume compromissos para os quais não tem capacidade financeira para os cumprir, assumo, mas acaba por regularizar a sua situação e essa regularização dá-se porque segundo o Artigo 50 do Regulamento de Licenciamento de Clubes para as Competições de Clubes da UEFA da Federação Portuguesa de Futebol, os clubes devem provar que, até 31 de Março anterior à época a licenciar, que não tem dívidas aos seus trabalhadores (…). Ou seja se o clube se quer inscrever para a época seguinte tem que provar que dia 31 de março não tem dívidas, por isso o clube paga as dividas, inscreve-se na liga, vê até onde dá o orçamento e depois deixa de pagar, no ano a seguir repete, e repete… e repete.

Espero não aconteça o mesmo que ao União de Leiria (a disputar o Campeonato Nacional de Seniores) ou ao Farense (a disputar a Segunda Liga depois de ter começado pelo patamar mais baixo do futebol, a 2ª Divisão Distrital) ou ao Sport Comércio e Salgueiros (que conta apenas com escalões de formação, o Salgueiros 08 encontra-se a disputar o Campeonato Nacional de Seniores)… Será que devemos começar a pensar no Sport Clube Vitória 15, à semelhança do Salgueiros… Pense nisso…

The following two tabs change content below.

Rui Pereira

Membro da Direção da Associação Cultural e Artística Elucid’Arte
Nascido em Setúbal, Licenciado em Arquitetura pela Universidade Moderna de Setúbal, Licenciado em Engenharia Civil pela Escola Superior de Tecnologia do Barreiro – IPS, inscrito nas respetivas Ordens Profissionais e Doutorando em Arquitetura, especialidade de Teoria e Prática do Projeto, na Faculdade de Arquitectura – ULisboa. Domínios de atividade profissional: Gestão de projetos e obras, Auditoria e Fiscalização, Consultor e Formador. Membro da Direção da Associação Cultural e Artística Elucid’Arte desde 2008.

Últimos textos de Rui Pereira (ver todos)