Investimento. Investimento que chegue à economia real. Investimento que estimule o emprego, a competitividade e novas oportunidades para todos. Investimento nos setores do futuro como as tecnologias digitais e energia mais sustentável. É esse o objetivo central da Comissão Europeia liderada por Jean-Claude Juncker. Porque disso depende o nosso presente e um ainda melhor futuro.

E porque as ações falam mais alto, a nova Comissão definiu e acordou os necessários passos legais e operacionais para o Plano de Investimento em tempo recorde. Um Plano que prevê mobilizar pelo menos 315 mil milhões de euros em investimento sem criar mais dívida pública.

No coração deste Plano está o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), lançado pela Comissão Europeia e pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) a 22 de Julho e que estará ponto a arrancar no início do outono deste ano. Este Fundo vai permitir que projetos estratégicos – relacionados, por exemplo, com energias renováveis, transporte, educação e inovação – recebam uma garantia que permite ao BEI fazer investimentos mais arriscados e em países em contextos económicos mais difíceis. Esta estratégia marca também a diferença, porque ao diminuir o risco, permite a mais investidores e empreendedores apostarem na Europa.

Muitos milhões que podem ter um impacto concreto nos seus projetos. Não é necessário pedir consentimento às autoridades nacionais ou locais para explorar as oportunidades do FEIE. Se é um investidor ou se tem uma empresa, pode, desde já, descobrir as oportunidades e condições contactando o BEI.

Até ao final do ano, estarão disponíveis outros dois instrumentos muito úteis. Por um lado, uma «plataforma» de aconselhamento ao investimento que, graças a um aconselhamento abrangente e rápido que canaliza todas as questões relacionadas com a assistência técnica, vai reforçar a qualidade dos projetos e o investimento.

Por outro lado, um portal online que listará as oportunidades de investimento na UE, providenciando aos potenciais investidores informação clara e completa. Para os promotores de projetos será uma montra para se promoverem e, assim, chegar a um leque mais alargado de investidores.

As PMEs e empresas de média capitalização continuam a ser tidas em especial consideração, sendo esperado que usem um quarto do investimento total catalisado pelo FEIE – cerca de 75 mil milhões de euros em 3 anos. O FEIE vai reforçar e beneficiar os instrumentos financeiros de garantia já existentes, nomeadamente o Fundo Europeu de Investimento, um fundo dedicado dentro do Grupo do BEI, o COSME e o InnovFin PME Garantia, parte dos instrumentos financeiros desenvolvidos sob o Horizonte 2020 e que têm tido uma procura extraordinária.

No entanto, investimento não funciona por si só. O caminho a fazer tem três pilares essenciais e complementares. Um triângulo virtuoso para a estabilidade e o crescimento económicos da União Europeia: a) reformas estruturais para colocar a Europa numa nova via de crescimento; b) responsabilidade orçamental para restaurar a solidez das finanças públicas e cimentar a estabilidade financeira; e c) investimento para impulsionar o crescimento e torná-lo sustentável ao longo do tempo.

Termino fazendo minhas as palavras do Presidente Juncker “Se a Europa investir mais, a Europa será mais próspera e criará mais emprego – é tão simples quanto isso”.

Fotografia de Soroll

The following two tabs change content below.

Maria de Aires Soares

Chefe de Representação da Comissão Europeia em Portugal

Últimos textos de Maria de Aires Soares (ver todos)