É época de eleições… Época de fartura e falsidades… e de fartura de falsidades, mas isso não interessa nada, viva aos comícios, viva as arruadas, viva os jantares e viva a festa…

Como podem saber no dia 4 de Outubro vamos votar para eleger os membros da Assembleia da República, esta é o parlamento nacional, e é composta por todos os deputados eleitos. Representa todos os cidadãos.
Os candidatos são eleitos através de círculos eleitorais delimitados (em Portugal continental) pelos distritos. Como eu voto no distrito de Setúbal, só posso eleger candidatos pelo círculo de Setúbal, então decidi fazer uma breve investigação sobre os cabeças de lista dos partidos que poderão eleger algum deputado por Setúbal…

Sem ordem específica comecemos pela cabeça de lista da coligação Portugal à Frente, a sr.ª Maria Luís Albuquerque, todos a conhecem pelo seu recente papel como Ministra de Estado e das Finanças, substituindo o Vítor Gaspar. Esta sr.ª nasceu perto de Setúbal, em Braga, e a única relação que consegui encontrar com o distrito foi o facto de ter leccionado em Setúbal (na Antiga Universidade Moderna) durante alguns anos. Obviamente que esta pequena investigação também serviu para recordar que a Maria Luís Albuquerque esteve envolvida no caso dos “swap” quer porque foi directora financeira da Refer quando esta empresa que celebrou os contratos “swap”, quer depois, já na Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), aprovou os “swap” para as Estradas de Portugal… Estes contratos apresentam perdas potenciais podem chegar aos 3 mil milhões de euros, a pagar por todos nós…mas não faz mal… No fundo é como no casino. Apostámos no vermelho e saiu o preto. Mas há sempre alguém que ganha.

Reconheço que a vida familiar de cada um não deve-se imiscuir com a vida política, mas fica aqui uma pequena nota: o marido da Albuquerque, que foi dispensado do Diário Económico em Abril de 2013, após poucas semanas no desemprego foi nomeado Consultor na EDP, empresa cuja privatização foi responsabilidade da sr.ª Albuquerque, no início de Julho desse ano… dá que pensar?…

Continuando, a seguir temos pelo PS a sr.ª Ana Catarina Mendes, novamente não nasceu em Setúbal mas tem uma imensa ligação com a região, pois é este é o círculo eleitoral pela qual tem sido deputada desde 1995 (20 anos…). Mas como é que uma menina de Abrantes (distrito de Santarém) é eleita por Setúbal… tudo começou num dia mágico de 1991 em que se inscreveu no Partido Socialista e refundou a juventude socialista em Almada (uma tarefa herculana, visto se tratar de um concelho com fortes laços comunistas, até hoje) e esse enorme feito teve de ser recompensado com o lugar de Deputada Municipal na Assembleia Municipal de Almada em 93 (apenas com 20 anos). Passados dois anos foi deputada pelo círculo de Setúbal e actualmente é, entre outras, presidente da Federação distrital de Setúbal.

Tem realizado alguns trabalhos meritórios na assembleia, talvez um dos mais conhecidos (mais divulgado na comunicação social) foi o seu envolvimento na legislação portuguesa sobre o aborto e a sua despenalização.

Situação similar vive a CDU, cujo cabeça de lista é um político de Arganil, que desde 2005 é deputado pelo circulo de… Setúbal… O Sr. Francisco Lopes subiu a pulso no partido pois foi designado membro do Comité Central do PCP em 1979 (com 19 anos), chegando à Comissão Política e ao Secretariado em 1990, culminado em 2005 com o lugar na assembleia… Boa! É isso que nos faz falta, mais políticos de carreira.

Bloco de Esquerda é o único partido, dos até aqui expostos, que apresenta como cabeça de lista do círculo eleitoral de Setúbal um candidato, realmente uma candidata, que realmente é do distrito que representa, a sr.ª Joana Mortágua (que é de Almada), mais conhecida como domesticadora de banqueiros, e dado o mediatismo recente desta sr.ª nada tenho a acrescentar.

Agora os pequenos (e novos) partidos, começando pelo PDR de Marinho e Pinto, que na sua declaração de princípios defende uma “…democracia representativa e parlamentar, baseada em eleições livres e justas, na proximidade entre eleitores e eleitos…”, e por Setúbal apresenta como cabeça de lista um ex-político do PSD de Lisboa… O sr. João Marrana é co-fundador do PDR que vive em Lisboa… e trabalha em Set… não, Lisboa… Mas se calhar o Sr. Marrana tem uma forte ligação com o distrito porque nasceu no Seixal, não? Em Almada? Não. É de Bragança, quase, quase… Mas porque é que o Sr. Marrana não é cabeça de lista por Lisboa? Até trabalha na Santa Casa local e na CM local, conhecerá Lisboa bem melhor… Bem, por Lisboa o PDR apresenta um militar de Abril como cabeça de lista, e nada é melhor do que um militar de Abril, é como uma rainha no jogo de xadrez… E estes pequenos partidos apenas irão eleger um ou dois deputados por círculo…

O Livre apresenta individualidades muito participativas na vida política e académica, e cujos currículos apresentam um enorme valor… E como cabeça de Lista por setúbal apresenta a sr.ª Isabel do Carmo, uma sr.ª com um passado revolucionário e até apelidada de bombista por alguns… Mas que se afirmou não tanto pela política, mas pelo mérito, chegando a ser condecorada pelo então presidente Jorge Sampaio.

Um aparte. Aos outros partidos peço desculpas, para a elaboração desta crónica tomei em linha de conta uma sondagem da Eurosondagem onde apenas mencionava os partidos acima referidos. Mas a variedade partidária é de salutar pois é um sinal de força democrática.

De volta.

Na verdade, quando votamos nas eleições da Assembleia da República estamos a votar no partido que consideramos que deve ser chamado para o governo ou no que pensamos que melhor nos representa. Mas só podemos votar nos candidatos que nos são oferecidos pelos partidos, e por vezes esses candidatos não são quem melhor nos representa.

Será que estes candidatos acima mencionados sabem onde é a Praça São João Batista (em Almada)? Ou o Largo Dr. Francisco Soveral (em Setúbal)? E claro, que conhecimentos geográficos não parecem importantes para a função… Mas será que conhecem os problemas das populações que aqui habitam e trabalham…? E será que têm algum interesse em resolver os problemas da população deste distrito? Ou somos apenas um círculo eleitoral?…pense nisso.

P.S.: Não acho que o local que habitam ou trabalham ou até onde nasceram seja importante para o desempenho das suas funções políticas… Mas quem olha para as escolhas de cada um dos partidos parece que no distrito não há pessoas que prestem para a política, se calhar não há é pessoas que se prestem a estas politiquisses…

P.P.S.: Vão votar, vistam a sua melhor roupa de fim-de-semana e vão votar. Ou vão com uma roupa qualquer, mas vão votar.

Fotografia de Theresa Thompson

The following two tabs change content below.

Rui Pereira

Membro da Direção da Associação Cultural e Artística Elucid’Arte
Nascido em Setúbal, Licenciado em Arquitetura pela Universidade Moderna de Setúbal, Licenciado em Engenharia Civil pela Escola Superior de Tecnologia do Barreiro – IPS, inscrito nas respetivas Ordens Profissionais e Doutorando em Arquitetura, especialidade de Teoria e Prática do Projeto, na Faculdade de Arquitectura – ULisboa. Domínios de atividade profissional: Gestão de projetos e obras, Auditoria e Fiscalização, Consultor e Formador. Membro da Direção da Associação Cultural e Artística Elucid’Arte desde 2008.

Últimos textos de Rui Pereira (ver todos)