Vivemos, nestes últimos longos quatro anos, com um ministro da Educação e Ciência que tudo quis alterar, tudo tentou sonegar, e, em nome da racionalização, tudo quis justificar. As escolas perderam quase um quarto do financiamento. É simples: menos professores, menos alunos, menos unidades orgânicas e muitos contratos com o exterior, nomeadamente para a concessão de refeitórios e para as empresas de limpeza das escolas. E ficaram os cheques-ensino para regulamentar, numa fase em que as despesas com o material escolar dos alunos não têm qualquer abatimento no IRS das famílias, enquanto as das mensalidades pagas no ensino particular merecem ter esse abatimento.

Já aqui escrevi várias vezes sobre o que se alterou desde 2011. Não valerá muito a pena voltar ao assunto. Todavia, não posso deixar de abordar alguns temas que me parecem paradigmáticos, tendo em conta as saudades que não vamos ter deste ministro.

Crato e a revisão curricular: – Importantes são os números e as letras. Mais Português e Matemática, menos tudo o resto, em especial o que se refira a cidadania. Cidadania para quê? Para que interessa se queremos no país e na escola pública alunos que pensem pouco, reflitam pouco, e que, essencialmente, não questionem muito. De preferência, que nem votem e que possam reprovar muitas vezes. Até Jaime Silva, dirigente da Associação de Professores de Matemática, alertou para o facto de, “No que diz respeito à Matemática [haver] uma desmotivação crescente de professores e alunos, com uma disciplina que regressou aos anos 60-80 do século passado, com uma abstração precoce e exagerada, que tão mau resultado deu na altura”. Por isso se queixam hoje os professores do 1.º ciclo, que têm de trabalhar matérias para as quais o grau de abstração dos alunos dos 3.º e 4.º anos não chega. Crato tem de ler António Damásio.

Crato e os exames formaram uma dupla inseparável. Não tanto pelos exames em si, mas muito mais pelas condicionantes que colocam em todo o processo de ensino e de aprendizagem. Em maio, os exames dos 4.º e 6.º anos tiveram um reflexo muito negativo. As escolas pararam, os professores não deram aulas para corrigir provas, os professores do 1.º ciclo, em detrimento do Estudo do Meio e das áreas das Expressões (Dramática, Físico-motora, Plástica, Musical), apostaram durante todo o ano, essencialmente, no Português e na Matemática. Que ditadura instituída. Sem Expressões não há criatividade!

Outra grande bandeira de Crato foi a qualificação e o acesso dos professores à profissão. Os professores já são qualificados para a docência. Portanto, ou existe uma Ordem de Professores que valida, através de uma prova e/ou Estágio, o seu ingresso no mercado de trabalho, ou não pode ser o Estado que “monta” as suas formações, as avalia positivamente, para, depois, à posteriori, as avaliar de novo pondo em causa o seu trabalho inicial de formação e de verificação da sua qualidade, concluindo que há professores que não estão aptos para desempenhar a profissão docente.

No Ensino Vocacional, Crato foi “beber” muito dos cursos de “aprendizagem” que o IEFP desenvolvia por volta de 2005. Um erro colossal. Em face das avaliações existentes, pode afirmar-se terem sido um autêntico fracasso. Para muitos, trata-se de uma oferta de segunda categoria, que só parece ter motivo de existir para se acabar com os cursos CEF (Cursos de Educação e Formação) e com os PCA (Percursos Curriculares Alternativos), criados através do Despacho Normativo n.º 1/2006, de 6 de janeiro.

Todos já sentimos os reflexos desta política, que pouco valoriza as diferentes aprendizagens que a escola deve proporcionar a todos os alunos, especialmente aos mais desfavorecidos, que não têm onde as adquirir. O que conta para Crato é unicamente as metas que, sendo importantes, não podem funcionar como “marcadores genéticos” desta geração. Merecemos todos muito mais do que isto!

The following two tabs change content below.

José Carlos Sousa

Professor
Formação inicial magistério primário de Lisboa, Licenciatura em educação física - Escola Superior de Educação Almeida Garrett; Doutorado em Ciências da educação ramo de administração e gestão educativa pela Universidade de Évora e, Politicas de descentralização e desconcentração: o papel das equipas de apoio às escolas na implementação das medidas de politica educativa entre 2005 e 2011. Vereador na Câmara Municipal de Palmela entre 2005 e 2013. Coordenador educativo da península de Setúbal sul 2005 e 2006. Coordenador da equipa de apoio às escolas da península de Setúbal sul (concelhos de Setúbal; Sesimbra, Montijo; Alcochete e Palmela) de 2006 a 2011. Formador da Direção geral de educação na área da proteção à infância e Juventude.

Últimos textos de José Carlos Sousa (ver todos)