Agora que passamos por um período conturbado para a Europa é essencial relembrarmo-nos do sonho que nos fez começar o projeto comum europeu. Por muitos altos e baixos que enfrentemos, por muitos desafios e crises que tenhamos de resolver, por muito que os tempos tenham mudado: esses valores e objetivos devem permanecer inalterados.

A ideia de uma Europa unida começou por ser apenas uma aspiração de filósofos e visionários antes de se tornar um verdadeiro projeto político. Já no século XIX, Victor Hugo, por exemplo, imaginou uns “Estados Unidos da Europa” pacíficos e inspirados num ideal humanitário.

Um sonho considerado impossível devido às relações conturbadas e aos trágicos conflitos que assolaram o continente europeu, como as duas grandes guerras mundiais. Das cinzas da Segunda Guerra Mundial renasceu a esperança, ou até a confirmação, da necessidade de uma Europa unida.

Os princípios que nortearam os primeiros passos dessa iniciativa continuam na União Europeia do século XXI: manter e consolidar a paz estabelecida entre os Estados-Membros, aproximar os países europeus através da cooperação operacional e da correção das assimetrias entre regiões, garantir a segurança dos cidadãos europeus, promover a solidariedade económica e social, preservar a identidade e diversidade europeias num mundo globalizado e fomentar os valores que os europeus partilham.

Um dos grandes riscos da nossa atual Europa continua a ser a segurança. A União Europeia tem de trabalhar ativamente para preservar a segurança dos seus Estados‑Membros. Deve trabalhar de forma construtiva com as regiões com as quais tem fronteiras: os Balcãs, o Norte de África, o Cáucaso e o Médio Oriente. A segurança interna e a segurança externa são as duas faces da mesma moeda. A luta contra o terrorismo e a criminalidade organizada exige um trabalho conjunto das forças da ordem de todos os Estados‑Membros. No entanto, terá de ser feito no contexto de dois grandes feitos para os cidadãos: o mercado interno livre e a livre circulação dos cidadãos (acordo de Schengen).

É importante sabermos e até mesmo relembrarmo-nos que a União Europeia foi criada para cumprir objetivos políticos, que ambiciona atingir através da cooperação económica. Esta é uma área com um impacto extremamente importante. Mesmo os maiores Estados-Membros não têm uma dimensão suficiente para competir na arena global, uma arena cada vez mais competitiva. O mercado europeu proporciona uma plataforma única para atingir novos mercados, economias de escala e oportunidades de regulamentação uniformizada.

Mas mais importante. A União Europeia defende uma visão da humanidade e um modelo de sociedade apoiados pela grande maioria dos seus mais de 500 milhões de cidadãos, promovendo valores progressistas e desempenhando um papel de líder no caminho da sustentabilidade e da coesão social.

Os direitos humanos, a igualdade dos géneros, a solidariedade social, a livre iniciativa, a justa distribuição dos frutos do crescimento económico, o direito a um ambiente protegido, o respeito pela diversidade cultural, linguística e religiosa e uma síntese harmoniosa entre a tradição e o progresso constituem para os europeus um precioso património de valores e da sua identidade tão própria. Resume o sonho europeu que estando a ser realizado, não deve ser tomado como garantido, especialmente num período tão desafiante quanto o presente.

Todos nós, cidadãos europeus, temos de debater construtivamente para que este sonho avance!

Fotografia de leonyaakov

The following two tabs change content below.

João Tàtá dos Anjos

Chefe interino da Representação da Comissão Europeia em Portugal

Últimos textos de João Tàtá dos Anjos (ver todos)