Conciliar desenvolvimento e bem-estar das populações com redução drástica de emissões de gases de efeito estufa (GEE), de forma a garantir que o aumento da temperatura média do planeta não supere 2ºC, nem sempre é uma tarefa fácil.


As diferentes opções sobre como atingir este objetivo, envolve decisões sobre transportes, geração de energia, agricultura, desflorestação, indústria, padrões de consumo, crescimento populacional, eficiência energética, entre outros.


O resultado obtido destes fatores, além de mostrar o nível de emissões de GEE, tem, impactos econômicos, sociais e ambientes mais amplos a ser levado em conta.


Para análise e compreensão destes fatores, uma equipa de pesquisa de várias instituições que inclui WRILondon School of Economics (LSE), Imperial College e International Energy Agency (IEA), desenvolveu ferramenta pública e de código aberto que possibilita, a qualquer interessado, desenhar seus próprios caminhos e cenários para ajudar a limitar o aquecimento do planeta em 2ºC: a Calculadora Global. O lançamento aconteceu em 28 de janeiro, na sede da Royal Society, em Londres.



No formato web, esta ferramenta apresenta mais de 40 variáveis que podem ser ajustadas pelo utilizador como, por exemplo:


– população global (qual seria a população global em 2050?),
– penetração de tecnologias automóveis (ex. x% de veículos elétricos em 2050),
– uso da terra e proporção de energias renováveis, só para citar alguns interesses.
A partir dessa combinação de variáveis são calculadas as emissões de GEE, o PIB global, a distribuição do uso da terra, custos de implementação entre outros resultados.



É muito simples de utilizar e traz resultados intrigantes, mesmo com as limitadas opções de cada variável (4 níveis), estando toda a informação disponível no site da iniciativa para download.


Uma série de cenários já experimentados por organizações como Amigos da Terra, IEA e Chatan House está disponível na Calculadora Global para que os utilizadores possam comparar os diferentes resultados obtidos.


Algumas características comuns dos cenários compatíveis com 2ºC estão resumidas no estudo “Prosperidade ao redor do mundo em 2050”, preparado pelo grupo que implementou a ferramenta:
– A intensidade de carbono na energia elétrica em 2050 deve tender a quase zero;
– O consumo médio de combustível por km rodado deve cair pelo menos pela metade;
– 2/3 das emissões de carbono da indústria do cimento deve ser capturada e armazenada;
– Aumentar em 40 a 60% a produção agropecuária e diminuir em 10% a área ocupada.



Esta é uma excelente iniciativa para tornar mais simples, a forma de calcularmos o esforço necessário para garantir o limite de 2ºC com desenvolvimento sustentável.


Fonte: Planeta Sustentavel


Junte a sua à nossa Energia em www.ena.com.pt



Fotografia de capa por kenteegardin

The following two tabs change content below.

ENA

Agência de Energia e Ambiente da Arrábida
A ENA - Energia e Ambiente da Arrábida é uma agência local, de direito privado e sem fins lucrativos, criada em Junho de 2006 com o apoio do Programa “Energia-Inteligente Europa”.

Últimos textos de ENA (ver todos)