Nos dias 16, 17, 22, 23 e 24 de outubro, a edição de 2015 do SeixalJazz apresenta um cartaz multifacetado e marcado pelo cruzamento improvável de várias linguagens jazzísticas. A iniciativa tem lugar no Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal.

Pela primeira vez, o festival recebe um concerto de jazz manouche, protagonizado pelo trio do holandês Paulus Schäfer. O gypsy jazz deste exímio guitarrista, em estreia em Portugal, abre de forma inédita o SeixalJazz e traz ao Auditório Municipal do Seixal o estilo jazzístico introduzido por Django Reinhardt na década de 1930.

No dia 17 de outubro, atua no SeixalJazz uma das maiores referências do jazz nacional e, certamente, um dos músicos de jazz portugueses com maior projeção internacional. O contrabaixista Carlos Bica sobe ao palco para liderar o seu projeto mais notável e inconfundível, o Trio Azul. A sonoridade e a história deste grupo confundem-se com a do próprio Carlos Bica que, com Frank Möbus e Jim Black, forma um trio definido pela originalidade e longevidade.

A segunda semana do festival começa no dia 22 de outubro com o quarteto do saxofonista Jerome Sabbagh. Nascido em França, mas radicado em Nova Iorque, Sabbagh tem entusiasmado o público e a crítica com os seus registos discográficos originais e ecléticos. Suportado pela energia incomparável de Ben Monder, Joe Martin e Mark Ferber, o saxofone inebriante de Jerome Sabbagh promete um concerto surpreendente.

No dia seguinte, volta o jazz nacional e um dos seus melhores intérpretes e criadores: o saxofonista Rodrigo Amado traz-nos o seu Motion Trio, com Gabriel Ferrandini, Miguel Mira e um convidado especial no piano, Rodrigo Pinheiro. Assim, o SeixalJazz prepara-se para acolher um concerto com músicos verdadeiramente inventivos, que seguem convictamente o caminho da livre improvisação.

No último dia, o SeixalJazz 2015 apresenta outro saxofonista ilustre, o norte-americano Gary Bartz. Dono de uma extensa e prolífica carreira, marcada por colaborações com músicos tão brilhantes como Miles Davis, Art Blakey ou Max Roach, Gary Bartz dispensa grandes apresentações. Desde muito cedo apontado como um dos saxofonistas soprano mais entusiasmantes desde Cannonball Adderley, experimentou variados estilos, mergulhou no jazz eléctrico, passou pelo free-jazz, pelo funk-jazz, pelo pós-bop e no caminho venceu um Grammy. No SeixalJazz apresenta-se no seu quarteto com Barney McAll, James King e Greg Bandy.

Paralelamente, um concerto comentado do quinteto do trompetista Gonçalo Marques, no dia 21 de outubro, quarta-feira, marca o início do projeto pedagógico A Escola Vai ao SeixalJazz. A atividade é dirigida a alunos e professores das escolas básicas do concelho do Seixal.

Os bilhetes vão estar à venda brevemente:

M/6 anos

Ingresso: 10,00€ (25% de desconto para jovens até 25 anos, reformados e trabalhadores das autarquias do Seixal)

Assinatura (5 dias): 40 euros

Sessão de autógrafos no final de cada espetáculo