O PAN – Pessoas-Animais-Natureza acaba de divulgar o seu programa eleitoral para as legislativas de 2015. Este programa reúne os princípios que orientam a ação do partido e assume-se como um compromisso na direcao do novo sistema económico e social que o PAN defende.

Entre as propostas do partido para as próximas eleições estão o fim de canis de abate, a instauração do estatuto jurídico do animal, o reconhecimento de direitos à natureza, o aumento do período de maternidade/paternidade para um ano, aumento à tributação da produção agroquímica e pecuária intensiva, o apoio à agricultura biológica, local e sazonal, a defesa de um Rendimento Básico Incondicional e ainda a abolição de espetáculos com sofrimento ou morte de animais, nomeadamente touradas, circos e caça desportiva.

O PAN vai concorrer aos 22 círculos eleitorais com o principal objetivo de “expandir o ideário PAN a mais cidadãs e cidadãos tal como de eleger pelo menos dois deputados para a Assembleia da República o que contribuirá, inevitavelmente, para o crescimento do movimento”, explica André Silva, porta-voz do PAN e cabeça de lista por Lisboa.

Reforçando que, “a criação do novo sistema político, social e económico defendido pela PAN prevê também a redução do número de horas de trabalho para 30 e a implementação gradual de uma eco-fiscalidade onde, entre outras medidas, os bens serão taxados de acordo com a sua pegada ecológica através do IVA da distância”.

Para o PAN o desenvolvimento de Portugal não passa exclusivamente pela expansão e crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] mas sim por acrescentar outros indicadores compostos como o FIB [Felicidade Interna Bruta] e o IPG [Indicador do Progresso Genuíno] que têm em conta mais variáveis que a exploração de recursos finitos, seja, por exemplo, o bem-estar social das comunidades e a sustentabilidade ecológica.

O programa eleitoral do PAN pode ser consultado na íntegra no site do partido.

E também pode ver a entrevista multimédia à cabeça de lista pelo circulo eleitoral de Setúbal.