A Câmara Municipal de Sines e o Centro Cultural Emmerico Nunes organizam a exposição “IGNOTO: Carlos No | Pedro Valdez Cardoso”, entre 11 de julho e 25 de outubro. A exposição, que vai estar patente no Centro de Artes de Sines e no Centro Cultural Emmerico Nunes, é inaugurada este sábado, 11 de julho, às 19h00.

O projeto expositivo IGNOTO partiu, em 2014, do tema MAR, em que Pedro Valdez Cardoso e Carlos No se ancoraram para desencadear o seu processo criativo. O Centro Cultural Emmerico Nunes e a Câmara Municipal de Sines, ao promoverem o encontro destes dois autores, de certa forma, proporcionaram um “encontro improvável”. Os seus projetos estéticos são diferenciados, mas as inquietações que os movem garantem um diálogo de metáforas que remetem para o relacionamento humano entre povos e culturas. Desse processo nasceu IGNOTO.

Pedro Valdez Cardoso: “O mar em si mesmo não é nada, ou melhor, é tanta coisa que acaba por se tornar numa abstração. E é exatamente por ser uma espécie de contentor para tantas questões: ideológicas, culturais, sociais, políticas e históricas que se torna um excelente ponto de partida, pois não é limitativo na sua definição. O mar surge também, uma vez que a sua presença em Sines é significativa e reconhecível. Mas pensar o mar é não só pensar o lugar, mas também a portugalidade, as questões geopolíticas, a história e os descobrimentos, os conceitos de fronteira, a emigração, a ecologia, etc. Enquanto artista, existe uma possibilidade poética e política que o mar encerra que me seduz particularmente, e que vai ao encontro do meu próprio fazer artístico”.

Carlos No: “(…) a motivação artística que tenho e sinto por este projeto, que teve como ponto de partida “Mar”, assenta na possibilidade de poder estabelecer uma ponte com um outro tema que também me interessa muito explorar nas minhas obras, que é o tema da “viagem”. (…) Este projeto expositivo permitiu-me abordar e explorar conceitos já habituais na minha obra plástica e que estão relacionados com as ideias de Território, Fronteira, Margem e Exclusão”.

Depois da inauguração, a exposição poderá ser visitada, todos os dias, das 14h00 às 20h00. Em complemento da exposição será editado um catálogo com fotografias das obras, da autoria de Miguel Proença, e textos de João Pinharanda e de Pedro Prista Monteiro, que, num encontro também ele improvável, acrescentam múltiplos olhares sobre IGNOTO. Apresentação prevista para meados de Agosto, com data a anunciar.