A Câmara Municipal de Alcácer do Sal aprovou hoje o Plano de Pormenor do Pego do Altar, que prevê a construção de um empreendimento turístico, ambiental e de lazer nas margens da barragem do Pego do Altar, na freguesia de Santa Susana. De acordo com o presidente da câmara municipal, Vítor Proença, este plano tem como objetivo “captar investimento para a aldeia de Santa Susana e para o concelho de Alcácer do Sal”. O Plano de Pormenor do Pego do Altar prevê a criação de cerca de 900 camas, com a construção de um hotel principal e de quatro hotéis rurais de quatro estrelas, a construção de um centro náutico, equipamentos de lazer, parque de merendas e um Centro de Interpretação Ambiental.

Segundo a arquiteta urbanista, Susana Melo, que integra a equipa responsável pela elaboração do documento, o plano intervém numa área de 650 hectares, valorizando os recursos naturais do território e respeitando a sustentabilidade ambiental e social. O objetivo dos promotores é construir equipamentos de aptidão para recreio e lazer, que tire partido de um “espelho de água de grande beleza, preservando as margens da barragem”.

De acordo com a jurista Sofia Nunes, da equipa que elaborou o Plano de Pormenor, a área é muito condicionada, requerendo o parecer de muitas entidades da Administração Central tendo sido consultadas entre outras a antiga Autoridade da Região Hidrográfica, hoje incluída na Agência Portuguesa do Ambiente, a CCDR, o Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade e a Autoridade Florestal Nacional. A jurista sublinhou ainda que “da parte da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, encontrámos sempre muita motivação para avançar com o Plano de Pormenor e ouvir todas as pessoas envolvidas”.

A câmara municipal prorrogou por três vezes o período de discussão pública do Plano de Pormenor devido à existência de dúvidas e sugestões de proprietários e do investimento, a Sociedade Rio Mourinho. Conciliadora, “a autarquia optou pelo caminho da discussão, retardando o prazo de aprovação do Plano de Pormenor”, afirmou o presidente da câmara municipal, Vítor Proença, acrescentando que “o município, atento à importância do local de grande beleza, solicitou a salvaguarda dos interesses da população no local”.