Álvaro Oliveira

Out 0
Out 0

O meu orgulho sadino e os engulhos do sr. Manuel

Por relato em crónicas anteriores já tinha referido que, durante cerca de 15 anos, por motivos de ordem profissional, estive ausente de Setúbal. Entre Moçambique e Portugal distam quase 10.000 kms que se percorrem em cerca 11 horas de voo, mas que não me impediam de, anualmente, vir até à minha adorável terra a espaços de 4 em 4 meses, não obstante as curtas estadias de 8 a 10 dias. Tempo insuficiente …   Ler

Mai 0
Mai 0

“Onde é que existe um rio azul igual ao meu…?”

(Tributo aos Vitorianos) Mário Regalado, que genialmente compôs e musicou o que se pode considerar o hino da cidade de Setúbal – O RIO AZUL – num poema eximiamente escrito pelo galego Laureano Rocha, estaria longe de pensar que, decorridos tantos anos, a cidade que o viu nascer e inspirou, insiste em continuar a não colorir de alegrias os seus conterrâneos. Dizia há dias, um também grande setubalense, numa tertúlia citadina onde eu estava presente (cito) “… que a cidade está a morrer aos …   Ler

Set 2
Set 2

Os matagais e as varreduras do meu bairro

O emblemático Bairro da Nossa Senhora da Conceição, inaugurado em 1949, tem, ao longo destes 65 anos, albergado inúmeras famílias distintas desta cidade. Porventura a segunda e terceira geração desses primeiros inquilinos e alguns dos que, mais recentemente, adquiriram aquelas belas moradias, estão a dar-lhes uma forma modernizada e a reabilitá-las sem que se lhes tenha sido alterada a traça original, o que vem embelezar ainda mais o único bairro …   Ler

Jul 0
Jul 0

Os Telhados dos Palácios (E Não Só Estes)

Quando em 1903 o célebre arquitecto Raúl Lino projectou a recuperação e ampliação do luxuoso Palácio da Comenda, antigo retiro real do século XVIII, seguramente que estaria muito longe de pensar que, depois de tantos anos passados, esta obra-prima da corrente humanista em Portugal, iria ser deixada ao abandono, degradação e vandalismo. Também conhecida por Casa da Quinta da Comenda, passou em 1872 para a posse dos fidalgos franceses, os …   Ler

Jun 0
Jun 0

Marcos históricos de uma vida: cá e lá

Foi há precisamente 20 anos, num mês de maio, que pisei o solo de África pela primeira vez na minha vida. Lançava a mim próprio um desafio aventureiro após algumas contrariedades experimentadas – do ponto de vista pessoal – numa altura que se viam os efeitos da recente abertura à livre circulação de pessoas e bens entre os estados comunitários da União Europeia. Tinha-se também completado um ciclo de 22 anos …   Ler

Mai 0
Mai 0

Cegonhas, Bifes De Peru e a Origem Das Coisas

Sempre classifiquei de muito pouco didáctica, ignóbil e nada imaginativa aquela ideia que os pais transmitiam ás crianças que os seus irmãos recém-nascidos vinham de França pendurados no bico de uma cegonha; noção essa perfeitamente patética e que ainda, nos dias de hoje, se insiste em ilustrar nos livros de banda desenhada e outros afins. Como se as crianças tivessem que ser eternamente iludidas perante a verdadeira natureza e origem …   Ler

Mai 0
Mai 0

A Cromagem já não se faz como dantes…

Perdoem-me a analogia um pouco ousada e lúgubre desta minha crónica, mas, pelo que tem de insólita e hilariante, não consegui deixá-la de burilar neste espaço de opinião. São raras as vezes que recorro às carreiras urbanas para me deslocar na cidade; não fora anteontem lá por volta do meio-dia, num autocarro apinhado de gente que dei conta de um diálogo entre dois provectos idosos e que me perpassou nas …   Ler

Mar 0
Mar 0

Setúbal está mais bonita. Mas podia estar ainda mais…

A Igreja de S. Julião e outras fachadas… Nós, os setubalenses, sempre tivemos um mau hábito, que já está instalado há largos anos. Somos demasiadamente críticos e detractores da imagem da nossa cidade, dos acontecimentos que ocorrem nesta terra e, sobretudo, não valorizamos adequadamente as coisas que vão por cá acontecendo. Mas isso tem uma justificação. Somos já poucos os que se podem gabar de ter nascido em Setúbal e, …   Ler

Mar 6
Mar 6

Setúbal: Um diamante ainda por lapidar

Um destes dias, caminhava eu na frente ribeirinha, em passo apressado e próprio de quem insiste em deleitar-se com o incomparável Rio Sado como pano de fundo dos meus exercícios matinais, e eis que deparo com uma cena, no mínimo, surrealista mas bem ilustrativa das inúmeras situações de pura anarquia, que grassam nesta minha adorável cidade. No lado poente do Edifício dos Cacifos dos Pescadores, contíguo ao antigo Cais do …   Ler

Fev 0
Fev 0

Vitoria Futebol Clube: A Essência do Nabo

Muito irá ser escrito e proclamado perante a actual necessidade de inverter as tendências prejudicialmente instaladas no Vitória.  Sinto o dever de não fugir a essa regra.     Fá-lo-ei na qualidade de vitoriano (já não associado, mas que já tive esse atributo durante mais de 30 anos), e ainda como ex-dirigente por duas vezes e como ex-atleta.     Não estabeleço paralelismos com outros clubes, nem tão pouco sugiro que se copiem modelos já existentes e muito bem sucedidos.  Mas é chegado o …   Ler

voltar ao topo ▲